Desvantagens Primeiro!

A construção de personagens no novo BRIGADA LIGEIRA ESTELAR RPG será diferente de sua versão Alpha: você não receberá um conjunto de pontos único para distribuir em cada personagem de jogador (aqui, “Protagonista”). Aqui, você terá seis valores para distribuir entre as Características — e as Vantagens só poderão ser compradas com a obtenção de Desvantagens (fiquem tranquilos: os protagonistas terão “origens” e elas desempatarão tudo a seu favor).

Em estágios iniciais do texto, eu cheguei a fazer uma proposta maluca: as desvantagens viriam antes das vantagens. Mecanicamente, há lógica: o jogador precisará delas para comprar suas vantagens mas havia um fator narrativo aqui — teríamos outra percepção dos nossos protagonistas. Isso foi descartado por uma série de motivos mas ainda pode ser usado de forma opcional em qualquer mesa de jogo (caso o sistema tenha vantagens e desvantagens). Então…

… qual o motivo para não compartilhar esse conceito, afinal?

Mas qual o sentido de se fazer isso para além da mecânica de jogo? Bem, isso dará humanidade aos seus protagonistas: eles são falhos, mas ainda assim são heróis — e talvez sejam mais heroicos à medida em que superam tais limitações. Basta pensar no seu típico herói de anime: quando a história começa, ele está afogado nos próprios defeitos, sejam quais forem. A lista de exemplos é enorme!

Amuro Ray: aprendendo a tomar vergonha na cara.

Mas vamos partir do começo: Amuro Ray, da clássica série Gundam de 1979 — marco zero do Real Robot. Ele é insuportável no começo: anti-social (preferia a companhia de máquinas a pessoas), introvertido, cabeça-quente, reclamão e egoísta… chegando a ponto de desertar e enterrar seu robô em certa altura*. Gradualmente ele entende a importância de seu papel, passando a valorizar as pessoas, fazendo amigos e se tornando o primeiro grande ás do gênero.

Hikaru Ichijo, do igualmente clássico Macross (Rick Hunter em Robotech) também não é lá um grande modelo. Quando tudo começa, ele é sem noção (lembre-se de sua primeira aparição), meio irresponsável (sai da formação só para curtir)… e, embora nossa velha conhecida Lin Minmei não saia limpa dessa história**, os cornos por ele ostentados também podem ser debitados (em parte) à sua atitude bobalhona. Mas, dependendo da versão, ele crescerá muito!***

Hikaru Ichijo: sendo boboca até ser tarde demais.

Para entender a ideia de forma prática, pense nessas três frases:

MEU PROTAGONISTA É UM(A) ( ). ELE(A) É ( ) E ( )… MAS TAMBÉM É ( ) E ( ).

Assim, nós temos aqui uma oportunidade única: antes de construir tudo o que faz dele digno de ser um herói, sua primeira impressão sobre ele partirá daquilo a fazer dele alguém humano e falho — e certamente mais interessante! Percebem como as fichas dos protagonistas a seguir se constróem praticamente sozinhas?

“Meu Protagonista é um Piloto Hussardo. Ele é explosivo e reclamão… mas é também um companheiro leal e se preocupa com as pessoas a quem protege”.

“Minha Protagonista é uma Nobre Mentalista. Ela é fresca, mimada e sem noção da realidade… mas tem um coração compassivo e uma palavra de honra sólida como ferro”.

“Meu Protagonista é um Batedor Cossaco muito desastrado e é malvisto por isso… mas procura superar as próprias limitações — e nunca desiste.”

Ginga Kikoutai Majestic Prince. Uns toscos, mas é difícil não gostar dessa turma.

O primeiro deles automaticamente nos entrega um personagem com dois traumas menores: Explosivo (bem menos radical do que a desvantagem Fúria) e Reclamão, garantindo dois pontos de personagens para o protagonista. “Companheiro leal” pode desembocar em um código de honra, fechando o terceiro ponto de desvantagens no Alpha. Isso vale para todos: a nobre mentalista também pode ter traumas menores e códigos de honra, retratando essas particularidades…

… e isso adiciona novas camadas ao seu histórico: ela é alguém cuja formação poderia ter gerado uma figura arrogante e cruel mas o poder mentalista da empatia a fez tomar contato com os sentimentos e dores alheios. Assim, mesmo com seu ranço de menina mimada, ela se tornou uma pessoa justa e correta. Quanto ao nosso cossaco, ele certamente não tem a habilidade como seu atributo mais alto… e já tem uma desvantagem má-fama, inclusive entre os seus.

Como essa mulher conseguiu ser capitã? (arte de Israel de Oliveira)

É interessante para o piloto hussardo ser um ás e assim jamais abandonar seus companheiros em perigo. A nobre mentalista precisaria pensar em formas de participar mais do grupo, mesmo fadada a ser a reclamona saudosa do luxo. O cossaco talvez precise de maior resistência para sobreviver às falhas. Assim teremos personagens potencialmente marcantes e isso é sempre preferível ao personagem turbinado e otimizado em números… mas sem um pingo de alma.

Para não ficarmos só nos animes de mecha, pensem em um protagonista dos mangás shōnen**** de luta: Naruto. Ele mesmo. Baderneiro, mal-visto… e, no entanto, determinado e profundamente leal aos amigos (na verdade, até demais). Alguém cujas qualidades se destacam por contraste, nos fazendo enxergar o personagem de outra forma. Um personagem do qual gostamos muito por causa de seus defeitos e de sua vontade em superá-los. Pensem nisso.

Até a próxima!

Sim, Naruto é off-topic e só está aqui para gerar views nos buscadores. Me processem.

* Sendo justo com o personagem, Amuro não era, não queria e nem deveria ser um soldado. Estava lá pela força das circunstâncias e, claramente, sofria de stress pós-traumático.
** Há duas versões para a história no cânone de
Macross. A oficial é a da série de televisão, na qual Minmei era fútil e leviana, só se arrastando para o protagonista quando ninguém mais quer saber dela. No longa-metragem, ela era apenas uma garota comum e, reparem, Hikaru não era o corno ali. Em uma sacada inteligente, o longa foi inserido no cânone como uma mera cinebiografia, refletindo uma versão oficial e chapa-branca na qual a imagem de Minmei é preservada.
*** Friamente, o Hikaru Ichijo de
Macross não é o grande herói salvador mas uma testemunha privilegiada da história por estar no lugar certo e na hora certa. Seu destino lógico é o de líder de esquadrão no lugar do finado Roy Focker. Já o Rick Hunter de Robotech, pouco a pouco, alcança um papel de grande herói de guerra e acaba se tornando (muito graças à série The Sentinels — retratada apenas em romances e nos quadrinhos) uma figura de liderança.
**** Termo usado para produções nipônicas voltadas para
meninos. Japoneses segmentam suas obras por gênero e idade.

Imagem de topo: Capitã Tereza Augusta de Monte Castelo, de Batalha dos Três Mundos. Encrenqueira, mal-comportada — mas defende como uma leoa seus homens, sua nave e os princípios da Brigada. Arte de Israel de Oliveira.

2 comentários

  1. Eu sempre escolho as Desvantagens primeiro, elas sempre ajudam a dar um norte pro personagem.

    E Naruto não é tão off-topic assim. Mais pro final do mangá todo mundo tem seu próprio mecha mágico mitológico japonês.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s