O Ano Perdido

Recentemente, a Constelação do Sabre passou a estar em duas diferentes casas. A primeira é este sítio internáutico. O outro é o site da Jambô Editora. Há uma diferença de abordagem entre as duas: aqui, eu me dirijo diretamente ao mestre de jogo e abordo meu material do ponto de vista do processo criativo e das referências. Lá, eu me comprometi a expandir o cânone do cenário — além de trazer de volta o “Baú Referencial”. Eu me divertia com aquilo.

Lá eu também pretendo iniciar um modesto projeto para permitir aos jogadores tapar o buraco de suas campanhas enquanto o novo BRIGADA LIGEIRA ESTELAR RPG não vem: O Ano Perdido. Explicando melhor, eu não vi necessidade de fazer um grande salto de tempo com mudanças radicais no cenário — mas algumas alterações pontuais aconteceriam de qualquer jeito. Além disso, eu queria realmente me arriscar a escrever uma campanha vintage com seus 52 episódios.

O motivo disso é simples: eu queria fazer a famigerada campanha globetrotter ao longo de toda a Constelação. Mas 26 episódios — como em Belonave Supernova é um espaço muito estreito para uma campanha como esta e, para piorar, estamos agora em um limbo entre a conclusão da linha Alpha e o novo RPG. Iniciá-la com as regras clássicas tornaria o material obsoleto quando elas viessem… e as novas regras nem foram apresentadas ainda. Qual é a solução?

Porrada (de robôs gigantes) não é a solução. É a pergunta. E a resposta é sim. 😀

Sementes de aventura! Mas não umas quatro ou cinco linhas de texto para jogar uma ideia para o jogador e sair correndo. Isso não funcionaria aqui. Minha inspiração aqui são os livros com sementes de aventuras do James Desborough da Postmortem Studios — você pode encontrá-los na Drive Thru RPG… e eu recomendo. Em nome da melhor legibilidade e claro, de seu funcionamento em buscadores de internet, eu acabei fazendo uma adaptação ou outra ao modelo:

Título do Episódio: isso não é importante apenas pelos motivos organizacionais óbvios em um artigo — ele dá aos jogadores algo a… esperar da aventura.

Local: um tanto óbvio. Aqui entregamos o mundo (ou não, caso os protagonistas estejam no espaço) e o… local específico aonde os personagens irão agir.

No Episódio Anterior: esse só vale a partir da segunda sessão de jogo… se esta for parte de uma campanha. A ideia é estabelecer senso de continuidade.

“Continua…” — ah, todos vocês já viram isso. 😀

Situação Prévia: os eventos responsáveis por levar tudo ao estado atual. Colocaremos tudo em perspectiva — e seremos introduzidos ao ponto de partida…

Evento: … aonde alguma situação nova irá exigir a presença e a ação dos personagens jogadores. O circo já está armado… e agora é a hora do espetáculo!

Reviravoltas: usamos a analogia do circo? Então… é a hora dele pegar fogo! Aqui traremos três situações para complicar a vida dos jogadores na sessão!

Por exemplo: uma grande base antiga foi abandonada e, com a invasão proscrita, se tornou necessário reocupar esse ponto novamente. No entanto, durante essa ausência, ele foi ocupado por refugiados (situação prévia). Há muita discussão sobre como desocupar humanitariamente o local nessas circunstâncias — mas agora os proscritos chegaram (evento). Cabe aos jogadores defender essa gente. É simples de entender, só é preciso complicar mais a situação.

Ou seja, sempre dê oportunidade para MAIS combates. 😉

Aqui temos as reviravoltas: um ataque em outra frente os deixou ilhados, então por pelo menos 72 horas não vai chegar apoio nenhum (1), uma criança precisa de cuidados médicos e para ela sobreviver até chegar o resgate, são necessários remédios em uma nave caída nas proximidades (2) e uma grande belonave proscrita está prestes a desembarcar infantaria — é preciso abatê-la antes de tudo virar um forte apache (3). Só um exemplo, mas não acaba aqui:

Epílogo: o possível status atual após o final da aventura mais ganchos para prosseguir — caso você a queira como ponto de partida da própria campanha.

Ideias: o nome já diz tudo — são ideias correlatas, soltas aqui para ajudar o mestre a construir melhor a experiência de jogo ao narrar essa aventura.

Considerações do Autor: esse pedaço é meu canto pessoal aonde eu contextualizo tudo no cenário ou deixo uns comentários finais extras, se forem úteis.

Ou seja, hora do mestre de jogo meter a mão na massa…

Não vou dar mais exemplos por um motivo simples: vocês periodicamente acompanharão isso no site da Jambô e um desses tem as dimensões de um artigo inteiro, podem acreditar. A ideia é projetar aventuras capazes de serem jogadas isoladamente e usadas como ponto de partida para uma nova campanha — ou trabalhadas como capítulos de uma trama maior, inspiradas na estrutura mais livre de animes mais longos e antigos do gênero. Nós já falamos disso AQUI.

E isso não significa nenhuma debandada deste canto, fiquem tranquilos. Brigada Ligeira Estelar agora opera em duas frentes e isso é ótimo. Compareçam lá no site da editora — mas não deixem de continuar por aqui toda semana. E quando puderem, aqui ou nas redes sociais, contem como tem sido suas experiências e se as sugestões por mim deixadas ao longo de tanto tempo tem sido úteis nas suas mesas de jogo, certo?

Até a próxima — e divirtam-se, sempre.

DISCLAIMER: Mobile Suit Gundam Wing é propriedade da Sunrise, Inc. e Neon Genesis Evangelion é propriedade da Khara, Inc. — todas as imagens aqui tem função meramente divulgacional. Todos os direitos reservados.

Um comentário

Deixe uma resposta para Thales Barreto Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s