Diários de Produção – 04/08/22

Um dos elementos menos entendidos de Brigada Ligeira Estelar, quando de seu lançamento, foi a decisão de estabelecer quatorze anos como a idade base dos personagens. A rejeição foi tamanha ao ponto de me deparar com mestres e jogadores procurando formas de contornarem isso — de simplesmente modificar o fato até o extremo de se valer dos ciclos planetários de rotações como desculpa (“quatorze anos equivalem a dezesseis, ou dezessete, dos nossos”).

O problema foi um conflito entre referência e liminaridade — esta feia palavrinha de doze letras cujo significado precisa ser explicado se quisermos prosseguir. Ela simplesmente se refere a necessidade de se ajustar os personagens à faixa etária de seu público. Antigamente, esse era um problema menor. Do lado de cá do oceano, Super-Homem e Batman eram adultos e nenhum moleque se incomodava com isso (na verdade, eles continuam não se incomodando).

Mas a partir de algum momento percebeu-se o óbvio: personagens com a idade do público-alvo são mais relacionáveis para este*. Isso explica tantas antologias japonesas com o nome shōnen na capa: deixam bem claro a quem seu público se dirige**. Nelas eram comuns protagonistas adultos até o começo dos anos 80*** mas, aos poucos, eles deram lugar a personagens com a idade dos leitores. Isso ajustou, inclusive, desvios feitos em nome da aceitação****.

Sim, isso é de ferrar o crânio: pensem em todos os seus personagens
favoritos de anime e em como esse mero ano pode fazer diferença.

Daí fazer sentido o piloto de um robô gigante ser uma criança ou adolescente, dependendo do público-alvo. E, se pensarmos bem, isso é praticamente uma tradição. É só compararmos as idades dos personagens centrais nas séries Gundam. A maioria deles tem quatorze ou quinze anos. E esse padrão não é tão diferente em outras séries ou franquias (em Macross a média é um pouco mais alta, mas não tanto assim), mas uma tabela comparativa por hoje já basta.

Aqui voltamos aos princípios básicos de Brigada Ligeira Estelar: estabeleci quatorze como padrão para ser fiel a este espírito (mas a contagem é ocidental*****, acalmem-se). Sempre mantive os conceitos por trás do cenário o mais próximos possíveis do gênero. Eu só não esperava algo óbvio: Brigada Ligeira Estelar atingiu um público mais velho em comparação ao jogador usual de 3D&T, com diferentes expectativas quanto a um jogo de ficção científica.

Todo mundo quer ser um personagem como este, mas esquece
que sua função é apoiar e depois abrir caminho para…

Tivemos muita reclamação quanto a isso mas, como eu tenho uma certa aversão a retcons****** e só as faço quando não há jeito, estou cedendo ao apelo popular… em parte: no novo BRIGADA LIGEIRA ESTELAR RPG, os personagens ainda poderão começar com quatorze anos — mas a idade-base passa a ser mais fluida, entre quatorze ou dezesseis. Assim, os jogadores podem assumir esta última idade (a mínima em muitos RPGs) para os protagonistas e seguir adiante.

Na verdade, essa é uma mudança bem cosmética. A vantagem “Experiente” existe para dar acesso a personagens mais velhos aos jogadores e já na versão BLE RPG com sistema próprio, estávamos trabalhando para isso representar algum tipo de vantagem. Não dá para fugir muito disso. A dinâmica entre novatos e veteranos é parte integrante do gênero e precisava ser representada de alguma forma — o Mekton Zeta da R. Talsorian pontuava isso inclusive*******.

…um personagem como este. O piloto padrão de robôs gigantes
nos animes periga estar mais próximo é disso,

No atual estágio da produção, não sei ainda como isso vai se resolver sob a nova ordem do Victory. Ainda não trabalhei no aspecto de pontuações e tons narrativos — e prefiro ser honesto ao invés de chegar com papo de cerca-Lourenço para cima dos leitores. O importante é: apesar de eu procurar seguir de perto a liminaridade tradicional do gênero, Brigada opera em sua própria mídia e ela também traz sua própria liminaridade. Estou fazendo o ajuste.

Depois disso, não há muito a dizer. Os princípios por trás do Victory são diferentes do Alpha — e mais diferentes ainda dos conceitos do Brigada Ligeira Estelar como originalmente planejado. Muito foi cortado na carne e o caminho à frente é um território inexplorado de incertezas. Mas não há jeito, é trabalhar e fazer deste o melhor RPG possível. E esses pequenos detalhes são importantes — não podemos descuidar deles. 

Até a próxima e divirtam-se.

* Basta lembrar do exemplo mais antigo associado normalmente à questão: Robin. Este foi criado cerca de um ano após a criação do Batman e embora tenha passado a ser fonte de ironia depois disso, certamente foi fundamental para tornar o personagem mais acessível para o público infantil. Os tempos mudaram e eventualmente o menino-prodígio foi posto para escanteio, mas naquele momento inicial, provavelmente o morcegão não teria alcançado sua popularidade sem ele.
** “Shōnen” significa garoto. Os quadrinhos japoneses são divididos por demográficos baseados em gênero e idade — e se uma revista se chama “Shōnen isso” ou “Shōnen aquilo”, não há dúvidas: ele busca alcançar um público infanto-juvenil masculino.
*** Como nas séries Space Adventure Cobra e City Hunter, publicadas na Shōnen Jump em tempos muito idos. Hoje em dia, seria improvável a presença de personagens como estes por lá.
**** Ou seja, o descompasso de idade e comportamento entre certos personagens. Muita gente se incomodou com o comportamento dos personagens de Mazinger Z quando de sua exibição pela Netflix, mas eles claramente eram escritos como crianças de onze anos, com a mesma linguagem comportamental de empurrões, puxões, brigas e ofensas — mesmo estando todo na faixa dos dezesseis a dezoito anos. Se eles tivessem um comportamento correspondente às suas idades e aparências, não incomodariam nossos olhares contemporâneos — mas provavelmente nem teriam feito o mesmo sucesso com o público infantil à época.
***** A tabela com as idades dos protagonistas de Gundam explica meu ponto: tecnicamente, cada ano de idade japonês corresponde a um ano a menos para o ocidente. Se as idades dos Cavaleiros do Zodíaco chocaram vocês, imaginem após a conversão de idade para termos ocidentais…
****** Em miúdos, mudar retroativamente o passado com uma nova informação ou alterar um evento acontecido anteriormente. Se eu mudasse casualmente a idade de quatorze para dezesseis, eu precisaria definir um motivo para a mudança — ou dizer que tudo sempre foi assim. E isso me parece um insulto ao leitor antigo.
******* No Mekton Zeta, você pode escolher entre personagens novatos ou veteranos. Caso você escolha um novato, seu personagem tem dezesseis anos e pode escolher entre sete classes, com um conjunto de perícias (e se você escolher a classe Kid, terá provavelmente uns dez ou onze anos, agora não lembro de cabeça). Se você quiser um veterano, não terá uma classe, mas uma profissão e poderá ganhar mais pontos e perícias, mas evoluirá com a metade da velocidade de um novato. Isso reflete o que ocorre nos animes do gênero, aonde seu protagonista impulsivo eventualmente superará o seu comandante de esquadrão.

DISCLAIMER: Mobile Suit Gundam e todos os seus derivados pertencem à Sunrise, Inc. Superdimensional Fortress Macross pertence aos Studio Nue, Artland e Tatsunoko Productions. Todas as imagens aqui presentes foram usadas para fins jornalísticos e de divulgação, sem infração de direitos autorais.

3 comentários

  1. Não sabia que tinham encrencado tanto com a idade. Mas não é como se toda campanha tivesse que ser com pilotos recém-formados da Brigada. O que mais tem no cenário é opção (dificilmente um mercenário ou pirata espacial vai ter só 14 anos)

Deixe uma resposta para Thales Barreto Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s